20/11/2019 às 08h58min - Atualizada em 20/11/2019 às 08h58min

ATERRO SANITÁRIO DE ARARAS É ATINGIDO POR INCÊNDIO

A suspeita é de que a ação tenha sido criminosa. Local foi inspecionado em maio de 2018 e posteriormente embargado pela Cetesb, mas continuou recebendo o descarte de materiais

- Da redação
Um incêndio no aterro sanitário movimenta a cidade desde o começa da semana.
 
A ação de contenção foi coordenada pelo Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, com o reforço de caminhões-pipa das usinas São João e Santa Lúcia. O primeiro foco foi registrado na segunda-feira (18) e levou cerca de quatro horas para ser controlado. Na terça-feira, outros três pontos foram identificados. As equipes continuam trabalhando no local nesta quarta-feira (20).
 
“Tão logo a Prefeitura tomou conhecimento do ocorrido, não foram medidos esforços para controlar o incêndio. Foram disponibilizados todo o maquinário solicitado pelo Corpo de Bombeiros para auxiliar no combate”, informou a diretora da Secretaria de Serviços Públicos, Bianca Remédio. Um Boletim de Ocorrência foi registrado. De acordo com o secretário da pasta, Orlando Roberto Cabrini (Beto Cabrini), existe a suspeita de que o incêndio tenha sido provocado por uma ação criminosa.
 
No dia 14 de maio de 2018, durante a interinidade do vereador Pedro Eliseu Sobrinho como prefeito, o aterro sanitário foi inspecionado, sugerido o embargo  e posteriormente multado em R$ 19 mil pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). Ainda assim, mesmo com os apontamentos, a pasta de Serviços Públicos, à época gerida pelo atual secretário de Meio Ambiente, Carlos Cerri Júnior, continuou descartando rejeitos no local.
 
A atual Administração teria tomado conhecimento deste fato somente há algumas semanas, numa visita ao órgão ambiental em Mogi Guaçu, para tratar da viabilidade de utilização do local para o transbordo dos resíduos. O Independente apurou que não existia documentação ou registro disponível sobre a infração e o embargo impostos ao município.
 
Entretanto, o vereador Jackson de Jesus (PROS), que está acompanhando o caso, publicou um vídeo em suas redes sociais comentando o assunto e fez uma grave denúncia que precisa ser investigada. Segundo o parlamentar, um funcionário da Secretaria de Meio Ambiente teria afirmado a ele que “a situação no aterro estava regular.”
 
Este e outros apontamentos serão tratados em detalhes pelo O Independente em uma série de reportagens que está sendo produzida, abordando as políticas públicas de resíduos sólidos e de  meio ambiente na cidade.
Link
Notícias Relacionadas »

Quantas doses da vacina contra a covid-19 (coronavírus) você tomou?

0%
50.0%
50.0%
0%
FALE COM O INDEPENDENTE
Seja Bem-Vindo(a)!
Através deste canal você pode entrar em contato conosco, sugerir pautas, fazer reclamações, falar em nosso departamento comercial ou cadastrar-se para receber as notícias pelo Whatsapp.