24/11/2020 às 15h28min - Atualizada em 24/11/2020 às 15h28min

JORNALISTA É VÍTIMA DE HOMOFOBIA EM ARARAS (SP)

Funcionária de posto de combustíveis que teria feito comentários ofensivos a ele e a outro colega de trabalho foi demitida; em junho de 2.019, o STF criminalizou a homofobia no país

- Da redação
Com informações do Facebook, G1 e Correio Braziliense
Na segunda-feira (23), o jornalista Ramon Rossi, repórter e apresentador da Rede Opinião de TV, sofreu um ataque de homofobia em um posto de combustíveis em Araras (SP).
 
Rossi relatou o episódio em seu perfil no Facebook.
 
“Hoje, por volta das 10h30, algo que sempre pareceu distante de mim aconteceu comigo. A funcionária do posto no qual abasteço o carro da empresa fez comentários de cunho homofóbicos sobre mim”, declarou o jornalista.
 
Segundo ele, o cinegrafista que o acompanha diariamente se dirigiu até o local com seu carro particular e foi questionado por ela se ele era gay. Respondido que não, a funcionária teria insistido. “Ah, porque você sempre anda com marico e quando eu vou abastecer o carro de vocês, ele me olha encarando, ele tá com ciúmes, será?”.
 
“Marico” é um dos adjetivos mais utilizados na prática homofóbica. Segundo o jornalista, a funcionária referiu-se a ele, tendo inclusive questionado o uso da maquiagem, comumente utilizada no trabalho televisivo.
 
Rossi prossegue com o seu relato. “Depois disso, eu fui até o posto para entender a situação e os motivos dela ter se incomodado comigo. E lá só tive mais certeza: ela estava incomodada com quem eu sou. Simplesmente isso. Criou algo em sua cabeça sobre eu estar encarando-a (o que não aconteceu) para justificar sua ação de preconceito. Não diz respeito a ela, e nem a ninguém, qual é minha orientação sexual. Independente do que eu sou ou deixo de ser, ninguém merece ser tratado como eu fui.”
 
O caso ganhou destaque na mídia local. O apresentador e diretor de jornalismo da TV Opinião, Pietro Jr. fez a defesa do colega de casa. “Eu não conheço, mas conheço o profissional que tenho nesta casa e, se ele estivesse no seu lugar, faria dez vezes melhor que você. É um profissional que coloco a mão no fogo aqui. Ele faz um trabalho 100% e não merece ser tratado dessa maneira”, disse o apresentador.
 
PRÁTICA RECORRENTE
Uma mulher foi presa na última sexta-feira (20), por agressão, injúria racial e homofobia contra funcionários e clientes de um comércio no bairro da Pompeia, na zona oeste de São Paulo. De acordo com o comunicado da padaria Dona Deôla, no Instagram, a mulher insultou e agrediu funcionários e clientes que se mobilizaram para defendê-los.
 
Um vídeo divulgado pela GloboNews e pelo G1 mostra a mulher questionando se aquela "era uma padaria gay" e dando tapas em um cliente. Ela teria dito ainda, segundo a emissora, que "odeia veados".
 
HOMOFOBIA É CRIME
Em junho de 2.019, uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) qualificou como crime racial a prática, indução, ou incitação a discriminação ou preconceito em razão da orientação sexual da qualquer pessoa. As penas previstas podem chegar a 5 anos de prisão, até o Congresso Nacional aprove uma lei específica para o tema.
 
Com a decisão do STF, o Brasil se tornou o 43º país a criminalizar a homofobia, segundo o relatório “Homofobia Patrocinada pelo Estado”, feito pela Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais (Ilga).
 
“É importante frisar que os comentários feitos por ela podem ser considerados crime de homofobia. Vim a público relatar o que aconteceu comigo porque acredito que é assim, expondo pessoas intolerantes, que vamos contribuir para que mais ninguém se sinta no direito de ofender outra pessoa pelo que ela é ou por quem ela se relaciona”, finalizou Ramon Rossi.
 
No fechamento desta matéria, a reportagem tomou conhecimento de que a funcionária do posto havia sido demitida.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
FALE COM O INDEPENDENTE
Seja Bem-Vindo(a)!
Através deste canal você pode entrar em contato conosco, sugerir pautas, fazer reclamações, falar em nosso departamento comercial ou cadastrar-se para receber as notícias pelo Whatsapp.